Museu de Arqueologia Bíblica em Engenheiro Coelho, interior de São Paulo

Museu de Arqueologia Bíblica em Engenheiro Coelho, interior de São Paulo, o único da América Latina, possui peças originais dos tempos bíblicos, que comprovam várias passagens das Escrituras.

Arqueologia é uma profissão cheia de glamour para quem vê de fora. Foi muito popularizada por filmes como os das sagas “Indiana Jones” e “Lara Croft – Tomb Raider”, que deram ao público a ideia de aventureiros que fazem de tudo para pôr as mãos em artefatos históricos. Em parte é verdade, pois os arqueólogos passam por vários desafios e perigos, mas com um ar bem mais sério que o mostrado nas telas por Hollywood.

Um ramo pouco noticiado é o da arqueologia bíblica, cujo objetivo é o de legitimar passagens e aspectos descritos nas Sagradas Escrituras com objetos datados de milhares de anos.

Muitas dessas peças encontradas estão no único museu do setor na América Latina: Museu de Arqueologia Bíblica Paulo Bork, no município paulista de Engenheiro Coelho, na região de Campinas. Mantido pelo Centro de Pesquisas Ellen G. White, ele fica no campus da Universidade Adventista de São Paulo (Unasp) daquela cidade. Aberto no ano de 2000, conta hoje com cerca de 250 peças raras, 80% delas legítimas e o restante relíquias de origem comprovada. As mais antigas datam da época de Abraão, algo em torno de 2,3 mil anos antes de Cristo.

copo arqueologia

Lâmpadas, pedras e tijolos com escrita cuneiforme, estatuetas, cerâmicas, maquetes, armas, ferramentas, moedas como as recebidas por Judas para trair Cristo e utensílios como pregos usados em crucificações estão dispostos com as devidas orientações. Tudo está sob a responsabilidade do fundador do museu, o professor, teólogo, pastor e arqueólogo Rodrigo Pereira da Silva (foto), que fez cursos na Universidade Hebraica de Jerusalém, em Israel, e pós-doutorado em arqueologia na Universidade de Andrews, nos Estados Unidos. Silva já fez expedições e escavações em Israel, Jordânia, Sudão e Espanha. Descobertas suas estão em importantes museus internacionais e também no Paulo Bork.

As peças do acervo são do período entre 2300 antes de Cristo até perto da época do descobrimento do Brasil, no ano de 1500. São provenientes de escavações em lugares como Israel, Egito, Líbano, Sudão, Jordânia, Síria, Espanha e Itália.

A múmia em tamanho natural, logo na entrada, é apenas uma réplica. Entre várias curiosidades, imagens de entidades “protetoras” do lar, de lavouras e de propriedades, evidenciando a idolatria que vários israelitas teimavam em manter, mesmo após os ensinamentos de Deus. Há outros tipos de ídolos, como o terafim, pequena estatueta que funcionava como a escritura de terras, como as que Raquel roubou de Labão, seu pai, para entregar ao marido, Jacó. Quem a mantivesse era o verdadeiro dono do imóvel. Há dois terafins originais no museu.

Uma peça muito importante do museu Paulo Bork é um tijolo (na foto principal) com inscrições que comprovam a existência do rei Nabucodonosor e de seu reino, a Babilônia, cujas existências eram objeto de dúvida por muitos estudiosos até pouco tempo atrás.

O Museu de Arqueologia Bíblica Paulo Bork, aberto ao público em geral, fica na Estrada Municipal Pastor Walter Boger (também conhecida como Vicinal Walter Boger), s/nº, km 3,4, em Engenheiro Coelho, interior paulista. O acesso é pela Rodovia SP-332, km 160. Mais informações pelo telefone (019) 3858-1049.

Por Marcelo Cypriano Arca Universal / Profetico

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.