Sexo e Pornografia: é hora de enfrentar o problema com seriedade

Ele esta presente na raça humana desde o principio dos tempos, mas nem sempre se entendeu o seu significado. Não foi criado de qualquer jeito e sem pensar, mas projetado para completar uma importante união. Tem o poder de criar e se mal usado, pode devastar. É fonte de grande prazer ou total destruição. E, para os homens, se tornou objeto de obsessão e exploração.

Lembra-se da profissão mais antiga do mundo? A prostituição sempre foi um problema comum. As antigas cidades de Sodoma e Gomorra representam o maximo, da imoralidade sexual. No entanto o que acontece em nossa época é totalmente novo. Antes da era das revistas pornográficas e da internet, os homens tinham que ir a algum lugar para cometer pecados sexuais. Antes o sexo ilícito acontecia de duas formas mais comuns: nas zonas de prostituição e nos casos de adultério. Era preciso muito esforço para praticar fantasias sexuais, pois fotos de mulheres nuas ou de calcinhas não eram acessíveis. Mas hoje é diferente. Nunca antes foi como é agora. Nunca antes existiu a oportunidade de alimentar e cultivar um vicio secreto. Com a chegada da internet tudo mudou. O que antes estava longe e exigia esforço para ser alcançado, agora pode ser experimentado com um simples click do mouse. O sexo da internet oferece de tudo: bate papos ao vivo com parceiros do mundo inteiro, fotos e vídeos contendo imagens excitantes de corpos femininos etc. A conseqüência é que os homens acabam tornando-se consumidores descontrolados dessas ofertas. Sem mencionar o que a TV e a revistas apresentam. Para todos os lugares onde olham, os homens se deparam com imagens de mulheres sedutoras. Até mesmo as super heroínas da TV tem seios grandes e sensuais e roupas bem curtas. Assim é que a internet as revistas e a TV oferecem sexo fácil sem fidelidade, compromisso ou casamento.

A pornografia não é um problema?

Muitas das vezes a pornografia é considerada um “crime sem vitimas”. Muitas pessoas, até mesmo casais, acham que não há nada demais em ver pornografia. Mas no rastro desses vícios há casamentos desfeitos, esposas inocentes abusadas emocionalmente e fisicamente, meninas e moças estupradas e famílias financeiramente devastadas.

As estatísticas são de assombrar: As crianças em media, são expostas a pornografia com a idade de 8 anos. 75% dos estupradores condenados confessam que praticaram em suas vitimas as cenas que viram na pornografia. 80% dos estupradores de crianças confessam que seus problemas começaram através da pornografia. Então quem é que poderia afirmar que a pornografia não prejudica ninguém? As vitimas da pornografia são homens, cujas fantasias se tornaram desejos escravizantes. São mulheres e crianças cujos corpos são usados como objetos descartáveis. São as filhas que acham que a única forma de elas receberam amor é através do sexo e da sedução. São as famílias que experimentam a destruição de sua segurança e auto-estima porque um pai ou filho não conseguem mais ver as mulheres com dignidade ou respeito, mas só como objetos de prazer.

Enquanto se debate se a pornografia é prejudicial, a sociedade paga um auto preço com o numero de casamentos desfeitos e crimes sexuais violentos. Deus criou a sexualidade, foi Ele quem deu aos homens os desejos sexuais. Mas o pecado afetou a sexualidade humana, a seguir apresentamos testemunhos de vitimas da pornografia a fim de conscientizar as igrejas dos perigos desse mal e ajudar os homens não fazerem pouco caso dos riscos que a pornografia fácil da internet apresenta.

Esposas de viciados em pornografia.

Caso 1: “Estive casada com um homem abusivo durante 18 anos. Ele me usava para praticar suas fantasias pornográficas. Desrespeito, raiva, desprezo, humilhação, dor, confusão e traumas profundos são algumas das palavras que descrevem o modo como me sentia quando lembro o que vivi. Procuro não pensar no passado para não ficar doida. Tentei tudo o que eu podia para me conduzir conforme as mulheres das fotos. Pensei que fazendo isso salvaria o meu casamento. Logo percebi que eu não era nada, a não ser um objeto para ser usada e abusada para satisfazer os prazeres dele. Escapei do sofrimento, mas paguei um preço alto. Meus filhos e eu sabemos que a pornografia prejudica de muitas formas. “Mas Deus é fiel e Ele esta restaurando os muitos anos de traumas.”

Caso 2: “Tudo começou quando o meu marido passou a dar olhadas em revistas pornográficas. Depois, ele passou na freqüentar clubes de strip e a contratar prostitutas.”

Caso3: “Sou casada a mais de 14 anos. Todo esse tempo, meu marido sempre foi viciado em pornografia. Odeio arte mesmo usar essa palavra. Ele usa revistas, internet, e vai a lojas de matérias pornográficas. Ele me arrastou a esse vicio e eu o acompanhei, só para agradá-lo. Mas acabei não agüentando mais. Ele acabou abusando de mim, física, mental e verbalmente. O que é mais difícil de aceitar é quando ele diz que a pornografia não teve efeito nenhum em nossa família. Deus nos ajude!”

Igrejas pedem socorro.

Patrick Means, em seu livro Mens secret wars ( As guerras secretas do homens), destaca um fato preocupante. Numa pesquisa oficial de pastores evangélicos e lideres leigos de varias igrejas evangélicas, 64 % desses homens informam que tem problemas com vicio sexual inclusive pornografia e outras atividades sexuais secretas. Especificamente 25% confessaram ter cometido adultério depois de casados e depois de se tornarem cristãos.

A chegada da internet trouxe oportunidades incríveis para propagar, de modo mais rápido, o evangelho, mais trouxe um efeito colateral, um aumento dramático no numero de evangélicos, até pastores seduzidos pela pornografia.

A pornografia e o vicio sexual entre pastores são uma questão explosiva que as igrejas evangélicas conservadoras e liberais, sem distinção, estão tendo que enfrentar.

“O problema não esta em situação melhor nas igrejas pentecostais”,

diz Steve Gallager, fundador do Purê Life Ministries.

Uma pesquisa nos EUA revela uma situação sombria: 20% de todos os pastores costumam ver pornografia. As Assembléias de Deus nos EUA estão enfrentando o problema através de uma comissão presidida por Almon M. Bartolomew.”

“Estamos estabelecendo uma política para lidar com pastores que se tornaram vitimas do vicio da pornografia, como no caso da internet.”

Bartolomew contou a revista charisma

“Estamos recomendando medidas para prevenir e corrigir o problema.”

Não se podem mais ignorar os problemas secretos que muitos evangélicos estão enfrentando.

Numa pesquisa os homens de uma igreja foram convidados a responder se haviam comprado um bilhete de loteria, assistido a um filme sensual na TV, olhado pornografia, se masturbado, ou deixado de freqüentar a igreja por alguns meses e se eles eram divorciados. Os resultados mostram que, excetuando a compra do bilhete de loteria, as respostas dos homens não foram diferentes do que mostram as pesquisas dos homens que não freqüentam a igreja. Em outras palavras, a tendência dos homens evangélicos em ver sexo na TV, revistas e internet, de se masturbarem e se divorciarem deixou-os no nível de igualdade dos homens do mundo.

Um problema que precisa ser tratado.

Atualmente, até os profissionais da área de saúde mental reconhecem que uma conduta sexual compulsiva é vicio. Esse tipo de conduta torna o homem prisioneiro de desejos sexuais incontroláveis, da mesma maneira que um drogado ou alcoólatra não conseguem viver sem a droga ou a bebida.

Há as características comuns do vicio; descontrole, ansiedade, sensação de pressão para praticar o vicio e muitas vezes indiferença para as conseqüências adversas.

O vicio é um problema espiritual, moral, emocional, e as vezes, até genético. Os sintomas que aparecem na superfície apenas indicam que há uma ferida profunda na alma.

Entretanto o vicio sexual, não nasce da noite para o dia. Pode começar quando se adquire o habito de ficar observando uma mulher passar.

O próximo passo é usar a mente para imaginar fantasias com mulheres.

Depois que diminui o sentimento de culpa e o desejo de resistir a tentação visual, fica mais fácil de observar fotos de mulheres de calcinhas e sutiãs em revistas e catálogos de roupas femininas.

Quando as emoções já não satisfazem com essas fotos, ai vem a vontade de ficar olhando as fotos que aparecem na internet.

A mente e o corpo começam a fazer viagens delirantes ao mundo proibido das irresistíveis mulheres nuas.

O viciado em pornografia sofre isolado, mas quem realmente colhe as conseqüências de seu pecado é sua família. Ainda que o homem consiga impedir o seu habito de se tornar uma obsessão, o tipo de homem que ele se torna é bem diferente do marido e pai ou filho que ele poderia ter sido. Ele tem dificuldade de se relacionar sentimentalmente com sua esposa. Alem disso ela não consegue competir com as mulheres da fantasia, que parecem perfeitas e fazem qualquer coisa que ele exige. Não importa se ela se esforce, não importa se ela o ame e não importa até onde ela esteja disposta a ir para satisfazê-lo: nunca é o suficiente!

Em plena era da internet, poucas igrejas estão preparadas para enfrentar o problema da pornografia fácil e instantânea e ajudar os homens. Raras vezes o assunto da pureza sexual ou da pornografia é mencionada no púlpito. Algumas igrejas estão confusas e não conseguem tomar uma posição firme diante da questão homossexual enquanto outras fazem de conta que não estão vendo os casos de adultério em seu meio. Que tipo de mensagem esta situação transmitem para os jovens? Já que muitos já não acreditam mais na degradação do pecado ou na realidade do céu e do inferno, o que poderia um evangélico de gozar os prazeres da pornografia na internet? Podemos tentar tratar das feridas dos pecados sexuais, mas os traumas profundos das vitimas e dos viciados só podem ser curados de uma forma: Na alma, pelo medico JESUS!

É hora de enfrentar o problema com seriedade.

Os homens cristãos foram chamados e escolhidos por Deus para abençoar suas famílias e comunidades. Eles são pastores e lideres leigos que tem a capacidade de liderar, amar, sustentar e proteger suas famílias e proclamar o evangelho e discipular as pessoas. Eles são guerreiros, protetores e instrumentos de Deus na sociedade. Entretanto, os homens cristãos estão sendo alvo de um atirador frio e calculista cujo objetivo e aniquilar a alma dos homens. Esse inimigo conhece bem as fraquezas masculinas. Derrubar os homens cristãos é o jeito que ele encontrou para agredir as igrejas cristãs. Precisamos adotar medidas contra os seus ataques.

Homens, quando surge uma fantasia sexual, não podemos acompanhá-la. Se entregarmos nossa mente só um minuto, teremos muita dificuldade para vencer quando outras fantasias aparecerem.

Se seu problema são as revistas, fique longe das bancas de jornais.

Se é a internet, ou a TV por assinatura, desconecte-se.

Se os catálogos de roupas femininas de sua esposa são uma tentação para você, converse com ela e peça que cancele sua assinatura.

O que estou querendo dizer que é preciso tomar uma decisão de parar antes que se perca o controle. Faça como José: fuja da tentação sexual ( Gêneses 39.10-12).

Se você sente que esta além de suas forças, há pessoas que podem ajudá-lo.

MULHERES

Mulheres é hora de despertar. Vocês precisam compreender as dificuldades que seus maridos e filhos para proteger a mente e mantê-la pura. Vocês precisam entender que cenas e imagens tem um impacto muito forte na mente masculina. Acima de tudo, vocês precisam ver que nós precisamos da ajuda de vocês.

PAIS

Pais, não podemos dar ao luxo de subestimar o potencial do pecado. Vocês precisam treinar os filhos o mais cedo possível. Os meninos precisam receber instruções de como cuidar dos olhos e da mente. As meninas precisam saber que elas podem com muita facilidade se tornar o alvo das fantasias dos homens. Quando vocês rebaixam os seus padrões e levantam a barra da saia delas, vocês ajudam a alimentar a imaginação e o impulso de outros homens.

IGREJAS

Igrejas, não subestimem o crescimento do pecado. Apesar disso devemos ter atitude de humildade e esperança, em vez de medo e critica. É preciso ajudar os irmãos que estão enfrentando lutas. É preciso transmitir a segurança e a vitoria de Cristo e acompanhar os irmãos que se sentem atordoados e fracassados.

Extraido da revista Defesa da fé nº 42 ano 7 – 2002