Cinco por cento dos cristãos no mundo sofrem perseguição

Dos cerca de 2 bilhões de cristãos do planeta, pelo menos 100 milhões sofrem algum tipo de opressão ou perseguição, particularmente em países islâmicos. “As coisas parecem estar piorando”, disse Ângela Wu, diretora internacional do Departamento Legal do Fundo Becket para a Liberdade Religiosa, com sede em Washington.

De acordo com a Missão Portas Abertas, na quarta-feira da semana passada, dez atiradores invadiram o escritório da Visão Mundial, em Mansehra, distrito ao norte de Islamabad, capital do Paquistão, matando seis funcionários e ferindo outros sete.

O governo do Marrocos expulsou, no início do mês, 26 cristãos, a maioria evangélicos, acusados de proselitismo. Em fevereiro, pelo menos oito cristãos foram assassinados na região de Mosul, no Iraque. No Egito, oito cristãos coptas foram mortos a tiros quando saíam de missa, num domingo, em janeiro.

“Embora tenha surgido no Oriente Próximo, o cristianismo é visto como influência estrangeira ocidental em muitos lugares do mundo”, explicou Wu.

De acordo com levantamento da Missão Portas Abertas, a Coréia do Norte é líder na classificação de países no que tange à perseguição. Em segundo lugar aparece o Irã, onde templos foram fechados no ano passado e estima-se que 85 cristãos estejam presos. A seguir, aparecem Arábia Saudita, Somália, Maldivas, Afeganistão, Iêmen, Mauritânia, Laos e o Uzbequistão.

De cada 100 pessoas no mundo, 19 são muçulmanas; 18 não têm religião; 17 são protestantes, evangélicas, pentecostais, ortodoxas e anglicanas; 17 são católicas; 14 são hindus; e seis são budistas. (FD)