Organização Católica Irlandesa exige exclusão de bispos pedófilos

Uma organização católica irlandesa exigiu a renúncia de todos os bispos envolvidos na polêmica de ocultação de casos de abusos sexuais a menores de idade na arquidiocese de Dublin, na Irlanda.

O pedido da Voz da Irlanda (Votfi) chega no momento em que a Conferência Episcopal realiza em Dublin uma reunião extraordinária para debater o encontro dos bispos irlandeses com o papa Bento 16, em fevereiro.

Segundo informações publicadas por agências internacionais, o Vaticano pediu um encontro com a alta hierarquia irlandesa para analisar as consequências do chamado “Relatório Murphy”, que revelou em novembro passado a conivência da Igreja Católica com o Estado para encobrir centenas de casos de abusos sexuais ocorridos nas paróquias de Dublin. A Votfi responsabilizou o papa por não ter ordenado a abertura de uma investigação interna sobre as práticas que chama de “cultura de ocultação em nível mundial”. A entidade alerta que se nenhuma medida radical for tomada, a autoridade moral do Vaticano na Irlanda e a dos bispos do país poderia nunca mais ser recuperada.

A Votfi afirma em nota que já foi especialmente nocivo o reconhecimento da Conferência Episcopal de que o Relatório Murphy trouxe à luz uma estendida cultura de ocultação de abusos sexuais de menores na igreja católica.A entidade acha que a revelação dos casos deveria ter provocado a imediata saída de todos os bispos que participaram ou permitiram a ocultação.

Para a Vofti, os abusos sexuais cometidos pelos padres e a omissão da Igreja Católica se estendem muito além da Irlanda e “respingam na Igreja universalmente e no próprio Vaticano.

Quatro bispos deixaram o posto desde a publicação do relatório da juíza Yvonne Murphy sobre a arquidiocese de Dublin, a maior do país. O texto concluiu que as autoridades católicas ocultaram o abuso a crianças por parte de padres durante três décadas.

Fonte: Arca Universal