Quando os problemas são persistentes

Lá estava ela, aborrecida e muito deprimida. A situação em sua casa estava ficando fora de controle e, como se sabe, paciência tem limite. Ela sabia que não era por falta de orações e votos feitos a Deus, pois isso já fazia há anos. Seu marido ainda estava desempregado, seu filho nas drogas e sua filha saindo com más companhias.

Todos os amigos e parentes já sabiam da situação, pois ela achava muito difícil guardar tudo isso dentro de si toda vez que qualquer pessoa (e quero dizer qualquer pessoa mesmo) perguntava como estava a sua vida. Era como se ela tivesse chegado ao seu limite. “Quando tudo isso vai acabar?” soluçava ela vez por outra no chuveiro, no ônibus e em qualquer outro lugar onde se lembrasse de sua família, que, diga-se de passagem, era difícil de ser esquecida.

 

Não é dessa forma que muitas de nós reagimos diante de problemas persistentes? Ficamos desiludidas quando não vemos nenhuma mudança, mesmo depois de fazermos tantos esforços em favor deles, tornando as coisas ainda mais difíceis. A fé não trabalha dentro de um limite de tempo. A fé é certeza. Se você consegue manter a certeza de algo mesmo quando tudo à sua volta está desfavorável, você está usando a sua fé. É uma questão de confiança. É por isso que muitas pessoas têm dificuldade de entendê-la. Aliás, fé não é para ser entendida. Fé é fé.

Muitas pessoas, ao receberem uma oração forte, retornam ao assento ou vão para casa e ficam procurando uma prova da eficácia daquela oração. Quando nada pode ser sentido ou tocado, elas rapidamente desconsideram aquela oração forte, que passa a ser mais uma que não funcionou. Mal sabem elas que perderam a sua bênção no exato momento em que permitiram que as circunstâncias ao redor “provassem” que sua fé estava errada. A pessoa imediatamente começa a reclamar: “Nada acontece comigo. Deve haver alguma coisa errada comigo ou com a igreja… Por que Deus não responde às minhas orações?” A reclamação espiritual continua mais e mais, começando na mente, influenciada por pensamentos vindos de qualquer pessoa, menos de Deus. Então, o caos na mente fica tão descontrolado que a pessoa não consegue contê-lo dentro de si e começa a desabafar com as pessoas.

Quando reclamamos ou resmungamos a respeito do atraso de nossas bênçãos, na realidade estamos evitando que as bênçãos venham sobre nós. Toda vez que reclamamos sobre alguma coisa com alguém além de Deus, na realidade duvidamos que Ele esteja no controle de nossa vida. Se acreditamos, não importa quanto tempo levará ou as circunstâncias ao redor; continuaremos confiando que Deus está no controle.

Talvez você diga que às vezes é muito difícil e que precisa desabafar de alguma forma. É até razoável, mas por que desabafar com pessoas que nada podem fazer? Se tem que desabafar, desabafe com Deus, reclame com Ele. Fale de suas frustrações para Ele, e somente Ele; afinal, não é de Deus que você depende? Moisés sempre reclamava com Deus a respeito dos seus problemas, e Deus se agradava de sua dependência dEle. Um dia, porém, ele reclamou com o povo sobre o milagre que Deus estava para realizar – e que foi realizado por meio dele – e ele perdeu o direito de entrar na Terra Prometida (leia Números 20:10). Um simples resmungo, uma grande perda!

Na fé, Cristiane Cardoso

Fonte: Capítulo do livro “Melhor do que comprar sapatos”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.