O Caso do garoto Sean Goldman

Sean Goldman, nasceu nos Estados Unidos, é filho de pai norte-americano e de mãe brasileira. Aos quatro anos foi trazido para o Brasil pela mãe. A mãe (Bruna Bianchi) casou-se de novo com um advogado e faleceu no parto de uma menina que foi criada juntamente com Sean pela avó materna.

O pai biológico (David Goldman) de Sean lutou durante cinco anos na Justiça para reaver a guarda do filho, mas só recentemente conseguiu levar a criança para seu país.

A promessa do advogado da família Bianchi é de que a transição não seria “traumática”. Porém, ninguém pode adivinhar o que significa exatamente uma transição não-traumática para uma criança já tão traumatizada e sobressaltada com essa disputa familiar.

O que não foi divulgado (e que talvez possa explicar essa demora) é que o menino Sean é sobrinho-neto da ex-guerrilheira Maria Augusta Carneiro Ribeiro, a Guta, do MR8 e amiga íntima do Zé Dirceu e do Lula.

José Dirceu escreveu no seu blog quando da morte de Guta, no último mês de maio:

“Infelizmente, Maria Augusta Carneiro Ribeiro, a Guta, não resistiu às conseqüências do acidente que sofreu há algumas semanas. Guardarei dela a imagem de combatente e de resistente – marcas que a acompanharam sempre…

…Guta, junto com companheiros seus do MR-8 e da Dissidência Guanabara – Vladimir Palmeira e Ricardo Vilas Boas – fez parte do grupo dos 15 presos políticos (entre os quais, eu) trocados pelo embaixador americano Charles Burke Elbrick em 1969.

…Sempre estivemos próximos e ligados politicamente, embora distantes geograficamente, em países e depois em Estados diferentes.

Nos últimos anos, ela trabalhou como Ouvidora da Petrobras. Sua última luta … foi em defesa do seu sobrinho neto, Sean, cujo pai – o norte-americano David Goldman – trava na justiça, com o pai adotivo brasileiro, uma batalha para levá-lo aos Estados Unidos.

A permanência da criança no Brasil, com a família de sua mãe – Bruna Bianchi Carneiro Ribeiro, já falecida – foi a última grande causa na qual Guta se engajou. Essa é uma causa, portanto, que podemos e devemos abraçar como uma homenagem a Guta.”

Fonte: http://www.gazetadobrasil.com.br/capa/atualidades/259-caso-garoto-sean-o-que-nao-foi-divulgado.html

MORI, Paulo – Bacharel Teologia – Licenciado Pedagogia / Filosofia – Pós graduado Docência do ensino Superior – Pós Graduando Gestão Escolar – Técnico Eletrônico CREA nº 50616783000 / Registro Nacional nº 2607980127 / Profetico