Número de empregos com carteira assinada passa de 1 milhão

O aquecimento do mercado interno foi um dos principais responsáveis pela geração de 1,16 milhão de empregos até outubro deste ano, disse em 16 de novembro o ministro do Trabalho, Carlos Lupi. O dado faz parte do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado hoje.

“Não me surpreendo com esse número de 1.163.607 [de empregos gerados] porque desde março vínhamos falando da solidez do mercado interno, da força da economia nacional e das ações do governo para enfrentar a crise”, afirmou Lupi.

Segundo o ministro, o resultado mostra que o Brasil é o único país do G20 (grupo das 20 maiores economias do mundo) a gerar mais de 1 milhão de empregos e disse que no próximo ano o país vai chegar ao saldo acumulado de 2 milhões de empregos. Lupi disse ainda que o Produto Interno Bruto (PIB, soma de todos os bens e serviços produzidos pelo país) de 2010 poderá crescer entre 7% e 8%. Entre as áreas que devem ter maior expansão em 2010, ele citou a indústria de transformação e o setor de serviços.

Em outubro, o saldo da geração de empregos com carteira assinada ficou em 230.956 e foi o melhor de toda a série histórica para o mês. O melhor saldo, até então, era o de outubro de 2007, quando foram gerados 205 mil novos empregos com carteira assinada.

Para este mês, Lupi espera saldo recorde, mas que não deverá ser tão forte. Para dezembro, quando há demissões no setor do comércio e serviços, após as contratações temporárias de fim de ano, ele disse não acreditar em grande número de dispensas, mantendo, por isso, a previsão de um 1,1 milhão de empregos para 2009.

Roberta Lopes – Repórter da Agência Brasil / Profetico