A Poligamia

A poligamia = definição – Poligamia, do grego muitos matrimônios. Nos humanos, a poligamia é um tipo de relacionamento amoroso e sexual entre mais de duas pessoas, por um período significativo de tempo ou por toda a vida. É permitida por algumas religiões e pela legislação de determinados países.

A poliandria = definição – Poliandria é uma forma de poligamia em que uma mulher tem vários maridos.

VISÃO GERAL

A poligamia no mundo antigo

A poligamia foi amplamente praticada no mundo antigo por varias nações entre elas Gregos, Romanos, Hindús, Babilónios, Persas, Israelitas, Árabes, Africanos, etc.

Varias motivos levavam os homens à praticarem a poligamia, veja:

  • a diferença numérica entre homens e mulheres (menor número de homens),
  • vários contratos de casamento aumentava as riquezas,
  • a necessidade de ter vários filhos para o rápido crescimento da tribo,
  • muitos casamentos geravam muitos filhos garantindo assim a continuidade da gerações posteriores,
  • a esterilidade de uma mulher (segundo uma lei babilônica a mulher estéril, por exemplo, se fosse casada, era obrigada por lei a providenciar uma substituta para o marido poder multiplicar a espécie).

No mundo antigo eram travadas muitas guerras onde muitos homens morriam e tribos eram dizimadas, muitas mulheres ficavam viúvas sem nanhum amparo e isso causava uma grande diferença numérica entre homens e mulheres. Nesses casos a poligamia era a única solução sem falar na grande necessidade do rápido crescimento da tribo. Uma mulher demora 09 meses para gerar um filho enquanto um homem pode gerar muitos filhos se tiver muitas esposas.

A poligamia nos dias de Hoje

Tanzânia

Nesse país da África Oriental, onde a maioria da população vive em zonas rurais, é obrigatório que os casamentos sejam registrados e, no momento do registro, sejam declarados monogâmicos, poligâmicos ou potencialmente poligâmicos. Para a união mudar de status, deve haver consentimento do marido e da mulher.

Iêmen

A poligamia é permitida desde que o homem possa tratar bem de todas as suas mulheres, o que restringe a prática aos homens ricos. Além disso, há algumas regras a ser observadas na família iemenita. Uma delas diz que a primeira esposa tem sempre a última palavra. É ela quem autoriza (ou não) o marido a procurar outras mulheres para viver com eles sob o mesmo teto.

Sudão

Autoriza e até incentiva a poligamia. Em 2001, o presidente Omar Hassan al-Bashir pediu aos sudaneses para aumentarem a população com casamentos múltiplos. Segundo a lógica de al-Bashir, o país, o maior da África e o mais rico em recursos naturais, precisava de reforços para se desenvolver.

Nepal

Apesar de proibida, a poligamia ainda existe em pequenas comunidades tribais, onde é comum uma mulher casar com um homem e levar de brinde um irmão dele. A justificativa disso é econômica: como há poucas terras, os irmãos preferem dividir a mesma mulher a ter de repartir os escassos bens de família. Nos grupos xerpas, por exemplo, que vivem no nordeste do país, dois homens podem ter a mesma esposa. Se a família é composta de 3 irmãos, o costume manda que o do meio se torne monge. Se são 4 os filhos homens, eles podem se dividir – e cada dupla casar com uma mulher.

Continente africano

A poligamia é adota em muitas tribos e vilarejos em diversos países do continente africano. Em sociedades mais tradicionais da África Subsaariana, por exemplo, a prática é comum – segundo o relatório “Social and ethical aspects of assisted conception in anglophone sub- Saharan Africa”, da Organização Mundial de Saúde .O estudo da OMS afirma que, mais do que ser aceita, a poligamia é até mesmo incentivada entre os homens nesses lugares. E, em muitas regiões africanas, a religião predominante é o islamismo – o que promove uma soma de questões culturais e religiosas, fortalecendo ainda mais a aceitação da prática.

Um dos fatores que serve como incentivo à poligamia na África é a valorização enorme da maternidade nesse continente. “Crianças são tão valorizadas na África que a procriação é considerada a maior razão para o casamento e a principal causa, se não a justificativa, para a poligamia e outras formas de casamento que poderiam ser consideradas mais ou menos estranhas pela perspectiva de outras culturas”, diz um outro relatório da OMS para a África, intitulado “ART and African sociocultural practices: worldview, belief and value systems with particular reference to francophone África”.

POLIGAMIA AJUDA NA PROLIFERAÇAO DO VIRUS DA AIDS NA ÁFRICA

O fato de os homens terem várias mulheres na África é apontado em certas pesquisas como um dos fatores que contribuem para a disseminação do vírus da Aids no continente, cujos países já são os que mais concentram soropositivos em todo o planeta – a previsão é de que haja seis milhões de contaminados em toda a África até 2010, segundo a ONG YFC, que tem vários programas concentrados em resolver questões exclusivamente na África.

POLIGAMIA NO BRASIL

A poligamia no Brasil é proibida, porém é presente e praticada entre algumas tribos indígenas como os Kayapós, Carajás, Wáiwái, Parikotó, Taruma e os Yanomami que praticam a poligamia normalmente com a irmã ou prima da esposa.

A legislação Brasileira proíbe e condena a prática da Poligamia, veja:

LIVRO IV – Do Direito de Família

TÍTULO I – Do Direito Pessoal

SUBTÍTULO I – Do Casamento

CAPÍTULO I – Disposições Gerais

  • Art. 1.516 – § 3o Será nulo o registro civil do casamento religioso se, antes dele, qualquer dos consorciados houver contraído com outrem casamento civil.

CAPÍTULO III – Dos Impedimentos

  • Art. 1.521. Não podem casar: – VI – as pessoas casadas;

CAPÍTULO IV – Das causas suspensivas

  • Art. 1.523. Não devem casar: – III – o divorciado, enquanto não houver sido homologada ou decidida a partilha dos bens do casal;

CAPÍTULO IX – Da Eficácia do Casamento

  • Art. 1.566. São deveres de ambos os cônjuges: – I – fidelidade recíproca;

DECRETO-LEI No 2.848, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940.

TÍTULO VII – DOS CRIMES CONTRA A FAMÍLIA

CAPÍTULO I – DOS CRIMES CONTRA O CASAMENTO

  • Bigamia – Art. 235 – Contrair alguém, sendo casado, novo casamento:

Pena – reclusão, de dois a seis anos.

  • § 1º – Aquele que, não sendo casado, contrai casamento com pessoa casada, conhecendo essa circunstância, é punido com reclusão ou detenção, de um a três anos.

A POLIGAMIA E A BÍBLIA

  • 1- Gn 2: 18 – E disse o SENHOR Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora idônea para ele.
  • 2- Gn 2: 24 – Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne.

Essa passagem em Genesis deixa bem claro que o modelo de união criado por Deus é entre 01 homem e 01 mulher, Deus criou apenas 01 (uma) Eva, e não duas ou três “…tornando-se os dois uma só carne….”.

Ainda em Genesis vemos em um outro episodio em que Deus se preocupa em manter o modelo de União monogâmico. A iniqüidade do povo havia se multiplicado de maneira tal a ponto de Deus se arrepender de ter feito o homem GN 6:6. No propósito de restaurar o humanidade da decadência moral e criar uma nova geração, Deus separa Noé, homem reto no qual não tinha deixado se influenciar pela maldade dos homens da época. Deus então fala a Noé sobre seu propósito e lhe pede para que construa uma arca. Noé obedece e após a construção ele e sua família entram na arca para serem salvos do dilúvio, veja:

  • Genesis 7:13 (RC) – E no mesmo dia entrou Noé, e Sem, e Cão, e Jafé, os filhos de Noé, como também a mulher de Noé, e as três mulheres de seus filhos com ele na arca,

Neste versículo vemos que foram salvos quatro casais:

  • Noé e sua esposa
  • Sem e sua esposa
  • Cão e sua esposa
  • Jafé e sua esposa

Naquela época a poligamia já era conhecida e praticada (ver Genesis 4:19) Os filhos de Noé poderiam muito bem praticar a poligamia tomando para si várias esposas, porém Noé e sua família preservaram o modelo de união monogâmico obedecendo assim o modelo de união conforme a criação.

Muitos tentam justificar a pratica da poligamia baseando na vida dos grandes homens da Bíblia como Abrão, Jacó, Davi, Sansão, Salomão entre outros, um grande erro.

Em primeiro lugar não vemos na bíblia da parte de Deus incentivo ou mandamento para sermos poligâmicos, Deus nunca elogiou ou autorizou a poligamia. Todos os homens que foram poligâmicos pagaram um alto preço pelos seus atos.

Deus havia feito uma promessa para Abrão, mas Sara sua esposa era estéril. Abrão então teve um filho com Hagar (Genesis 16). Ao Ler Genesis 21 vemos quantos problemas Abrão teve por sua atitude. Importante lembrar que do filho de Hagar veio uma Nação que é inimiga de Israel até os dias de Hoje.

Salomão, um sábio homem de Deus, mas que pelo desejo de ter tantas mulheres, chegou ao triste estado de cometer a idolatria (I Reis 11)

No Novo Testamento

  • Mt 19: 8 Disse-lhes Jesus: Moisés, por causa da dureza dos vossos corações, vos permitiu repudiar vossas mulheres…

Nesta parte vemos Jesus dizer acerca do Divórcio, mas na parte final do versículo Jesus lembra o propósito de Deus para o casamento

  • Mt 19: 8 …mas ao princípio não foi assim.

  • I Tm. 3:2 – “É necessário, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma só mulher, temperante, sóbrio, ordeiro, hospitaleiro, apto para ensinar”

Nesta passagem esta bem claro, “…marido de uma só mulher…”. Algumas pessoas tentam explicar que essas instruções se aplicam apenas aqueles que ocupam um cargo na Igreja. Tal afirmação é completamente incoerente. Vamos analisar o versículo:

  • Irrepreensível
  • Marido de uma só mulher
  • Temperante
  • Sóbrio
  • Ordeiro
  • Hospitaleiro
  • Apto para ensinar

Ora, não é somente os obreiros da casa de Deus que devem ser temperante, sóbrio, ordeiro, hospitaleiro e sim todos aqueles que aceitaram a Jesus e desejam ter uma vida reta diante de Deus. Veja Gálatas 6.

Mais uma vez Paulo reforça como deve viver um verdadeiro cristão.

  • Tit. 1:6 – “Alguém que seja irrepreensível, marido de uma só mulher”

Alguns tentam justificar que a poligamia ira acabar como a prostituição, a traição ou até mesmo o Adultério. Dizem que se um homem pode ter legalmente mais de uma esposa, não haverá necessidade de “pular a cerca”. Essa afirmação é no mínimo tola e irracional. Na sua natureza pecaminosa o homem nunca se contentara com o que tem, ele sempre ira querer mais. Veja o que aconteceu com Davi, ele tinha varias mulheres e podia tomar para si qualquer moça que fosse solteira, porem ele foi se interessar por uma mulher casada. A concupiscência dos olhos o levou a cometer o adultério (2 samuel 11).

VERSICULO CHAVE – I Cor. 7:2

  • I Cor. 7:2 – “Mas, por causa da prostituição, tenha cada homem sua própria mulher (e não mulheres) e cada mulher seu próprio marido (e não maridos)”

Neste versículo esta bem claro e explicito e qualquer pessoa que esta em seu estado de consciência normal ira entender que a vontade de Deus para o casamento bem como o proceder cristão é uma união MONOGAMICA.

Conclusão

A monogamia faz parte da vontade de Deus para o casamento tendo em vista que na união monogâmica há um comprometimento mútuo, uma estreita solidariedade não só nas horas de regozijo como nos momentos difíceis, dois corpos que se fundem. Na união monogâmica não há espaço para disputas, ciúmes, brigas, richas e sim uma harmonia entre homem e mulher que se completam, uma convivência pacífica, alegre e fraterna que irão formar uma família mais saudável.

Na poligamia não há afeição real: há apenas sensualidade.

No mundo atual não é mais necessário seguir os costumes dos povos do mundo antigo, não há mais necessidade de povoar a terra, ter muitos filhos não é mais sinal de poder e status, então a poligamia é mais um tentativa de explicar e justificar os desejos desenfreados da carne, as orgias, a sensualidade, o pecado, atender à volúpia dos desejos e sensações da carne, uma tentativa de justificar o amor livre e sem regras, prazeres sexuais sem responsabilidades.

Relações extraconjugais também é uma forma de poligamia.

Mundança constante de parceira seguidas de relações intimas também é uma forma de poligamia.

Fonte: Fabio Bmed / Wikipédia / Internet / Profetico