Significado dos Nomes

Nomes podem influenciar trazer bênção ou maldição para a vida da pessoa, afirmam alguns pastores. Livros e sites especializados afirmam que o nome Cláudio significa “coxo, manco e aquele que anda com dificuldade” e Mônica quer dizer “solitária e viúva”. Mas, será que esses nomes podem influenciar ou trazer uma carga negativa para a vida da pessoa, traçando-lhe o destino?

O pastor Jorge Linhares, da Igreja Batista Getsêmani, em Belo Horizonte (MG) afirma que sim, que os nomes podem ser amaldiçoados, pois amaldiçoar significa maldizer, praguejar. “A Bíblia diz que Nabal (2 Samuel 25:3) era maldoso e o seu nome realmente significava isso, Abrão teve seu nome mudado para que recebesse uma promessa. Por isso, podemos concluir que o nome pode amaldiçoar sim”, explicou.

De acordo com Linhares, autor do livro “O melhor nome para seu filho”, as culturas ocidentais não dão tanta importância aos nomes, já o povo de Israel se preocupava muito e não colocava qualquer nome em seus filhos. “No Brasil, 90% das pessoas não sabem o significado de seus nomes e colocam em seus filhos nomes motivados em personagens de novelas, pessoas famosas ou parentes. Só que um cristão precisa entender que um filho é herança do Senhor e deve merecer um nome bonito que vai lhe trazer satisfação. Foi o próprio Deus quem escolheu o nome de Jesus”. Linhares ainda contou que é procurado por muitas pessoas para orar contra o negativismo de alguns nomes. “Acho que prevenir é melhor do que remediar”, concluiu.

Para o pastor Franklin Ferreira, da Igreja Batista do Cosme Velho, bairro do Rio de Janeiro, não há nenhuma conexão entre nome e maldição. “Não acredito que nomes carreguem um significado que possa sugerir bênção ou maldição. Para a cultura ocidental, não existe essa carga negativa ligada aos nomes”. Franklin, que é teólogo e professor do Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil, explicou também que na Bíblia, geralmente, o nome era dado sempre após o nascimento.

Citando o exemplo dos filhos de Noemi (Rute 1:2-5), Malon (significa enfermidade) e Quilion (significa esgotamento), o professor explica que eles receberam esses nomes porque nasceram doentes, descartando a possibilidade de que seus nomes determinaram seus destinos (Malon e Quilion morreram jovens). “Ficaremos próximos do paganismo, se pensarmos que um nome pode determinar o destino de uma pessoa”. O estudioso foi enfático ao dizer que o diabo não age no nome da pessoa, mas no coração sujo e na mente corrompida. “O diabo vai usar o mundo para nos atrapalhar, não podemos entrar numa linha supersticiosa”, disse.

Quem é exemplo de que um nome não determina necessariamente o destino de uma pessoa é o pastor Jabes de Alencar, da Assembléia de Deus do Bom Retiro, na capital paulista. Seu nome significa “aquele que nasceu causando dores”. Foi dado por sua mãe, após ela sofrer a dor de perder um filho, que tinha o mesmo nome. “Minha mãe me deu esse nome, mas orou com fé e determinação para que minha sorte não fosse a mesma do meu irmão, e realmente não foi”. Conforme Alencar, quando uma pessoa se converte ao Evangelho não há mais nenhuma interferência maligna em sua vida, mas se ela ainda é sujeita às coisas ruins do mundo, naturalmente está sujeita às influências do diabo.

RELAÇÃO ENTRE NOMES E PERSONAGENS BÍBLICOS

Apesar das opiniões divergentes sobre o assunto, é inegável a relação entre os nomes bíblicos e a vida dos personagens das Escrituras. O nome de Jesus significa “Deus é sua salvação” e Emanuel significa “Deus conosco” (Mateus 1:21-23). Com uma análise da vida de alguns profetas e comparação com seus nomes, é possível facilmente notar essa relação. Isaías (“Deus é a salvação”) profetizou a respeito de Jesus, enviado ao mundo por Deus para salvar os homens (Isaías 7:14). Ezequiel (“Deus fortalece”), foi enviado ao cativeiro para fortalecer o ânimo do povo no exílio e levar os rebeldes ao arrependimento para também fortalecer o culto a Deus (Ezequiel 16 e 36:16) e Jonas (“pomba”) fez a obra de um evangelista, sendo enviado a uma outra nação, levando a mensagem de arrependimento e salvação, uma espécie de “pombo-correio” (Jonas 3:2).

Há ainda Daniel (“Deus é meu juiz”), que viu a mão de Deus sendo seu justificador, livrando-o das armadilhas (Daniel 6:22), Ageu (“festivo”) levou ânimo aos exilados que voltaram a Israel e os estimulou a reconstruir o templo. Não se pode esquecer também de Adão (“o homem”), Eva (“mãe de todos os viventes”), Gideão (“lutador de espada”), José (“aquele que acrescenta”), Rute (“amiga”) e Salomão (“prosperidade”).

MUDANÇA DE NOME EM CULTOS PAGÃOS

Diversas seitas determinam que seus novos convertidos utilizem um pseudônimo ou um nome, o que lhe daria uma nova identidade espiritual, uma ruptura com a vida passada. É o caso do Hinduísmo, Budismo e o Islamismo onde a troca de nomes é considerada uma troca espiritual e um momento sagrado.

Os novos nomes são sempre derivados do nome de algum deus daquela crença. As ramificações dessas seitas também fazem uso de apelidos. Há também a Cabala e a Numerologia, que através de seus experimentos com base na matemática e no arranjo de letras, orientam seus adeptos a trocar de nome ou acrescentar e retirar letras a fim de que a pessoa se livre de seu karma (uma espécie de destino ruim) e tire todos os impedimentos que estariam dificultando o seu sucesso e a sua prosperidade. No Cristianismo, essa prática não existe, mas há a crença de que no céu, cada cristão receberá um novo nome, dado por Deus (Apocalipse 2:17).

MUDANÇA DE NOME NO CARTÓRIO

Legalmente, aqueles que desejam mudar de nome podem fazê-lo, sem grandes dificuldades. Desde que já tenha completado 18 anos, a pessoa deve se dirigir à Vara de Registros e entrar com o pedido através de um advogado.

O processo costuma demorar de três e seis meses. É possível também mudar o nome em caso de erros no momento do registro. Para fazer isso, pode-se procurar o cartório diretamente.

ONOMÁSTICA: ESTUDO DOS NOMES BRASILEIROS

A Onomástica é um ramo da Lingüística que estuda os nomes próprios, seus gêneros, suas origens e os processos de formação. Os nomes são chamados de antropônimos. No caso do Brasil, a formação dos antropônimos foi influenciada por vários povos e idiomas, dentre eles o português, o espanhol, o italiano, o alemão, o hebraico, o árabe, o inglês, o francês, o latim, o anglo saxão, o africano e o indígena.

No início da colonização do Brasil foram implantados cartórios de registro civil somente nas principais cidades. Então, os padres da Igreja Católica ficaram responsáveis por estabelecer através dos casamentos e batizados, os nomes e sobrenomes. Porém, somente as crianças com os nomes de origem bíblica, santos ou usados pelos fidalgos eram aceitos para batizar, enquanto os de procedência indígena ou africana, eram aconselhados a trocar por um desses nomes mais conhecidos dentro das classes dominantes. Apesar das censuras impostas, se não houvesse esses livros de registros, muitos nomes e sobrenomes de famílias teriam desaparecido.

ORIGEM E SIGNIFICADO DE ALGUNS NOMES

Alice (grego) – a que não conhece a mentira.
Ana (hebraico) – cheia de graça.
Beatriz (latim) – aquela que faz os outros felizes.
Breno (gaulês) – dirigente, chefe.
Bruna (italiano) – escura, parda.
Carlos (teutônico) – fazendeiro, lavrador.
Carla (latim) – aquela que é forte
Cristina (latim) – ungida pelo Senhor.
Daniel (hebraico) – Deus é meu juiz.
Davi (hebraico) – o amado.
Denise (grego) – adepta de Dionísio (deus grego do vinho)
Edmundo (anglo-saxão) – próspero e protetor.
Eduardo (anglo-saxão) – próspero guardião.
Fátima (árabe) – donzela esplêndida.
Felipe (grego) – que gosta de cavalos.
Fernanda (teutónico) – ousada.
Gabriel (hebraico) – Deus enviou.
Graziela (latim) – alegria.
Gustavo (sueco) – bastão de combate.
Henrique (hebraico) – reina em sua existencia
Hilda (teutônico) – grande batalha
Igor (escandinavo) – guerreiro da Paz.
Isabel (hebraico) – que se dedica a Deus.
Jéssica (hebraico) – abraçada pelo Senhor.
João (hebraico) – Deus é bondoso.
José (hebraico) – o que acrescenta.
Júlia (latim) – cheia de energia.
Karina (grego) – graciosa.
Katherine (inglês) – imaculada.
Lais (grego) – a que tem popularidade.
Larissa (grego) – cheia de alegria
Leonardo (teutônico) – bravo como um leão.
Letícia (latim) – alegria plena.
Marcos (latim) – o grande orador.
Maria (hebraico) – senhora, soberana.
Mário (germânico) – homem por excelência.
Naomi (hebraico) – aquela que agrada.
Nelson (teutônico) – filho de campeão.
Neuza (grego) – sábia.
Olívia (latim) – oliveira
Odete (francês) – riqueza
Paulo (latim) – pequeno
Pedro (latim) – rocha
Patrícia (egípcio) – nome de um dos templos de Isis
Quixote (latim) – protetor.
Rafael (hebraico) – Deus cura
Rita (latim) – alegre, radiante.
Sonia (russo) – a sábia
Silvio (latim) – homem da selva.
Sara (árabe) – princesa.
Taís (grego) – admirável.
Ubiraci (indígena) – madeira boa.
Ulisses (mitológico) – o irritado.
Vânia (germânico) – terra verdejante.
Vinícius (latim) – que tem voz agradável.
Virginia (latim) – casta
Wagner (alemão) – fabricante de vagão.
Xavier (basco) – proprietário da casa nova
Yolanda (espanhol) – a que trabalha muito.
Yone (grego) – violeta.
Zacarias (bíblico) – Deus lembrou.
Zélia (grego) – a rival.

Fonte: www.ebb.com.br
www.farmaciadepensamentos.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.